A economia organizada

Alarcao-BurocraciaLowRes.jpg
A ECONOMIA ORGANIZADA. Na década de 1930, com o sistema financeiro em colapso, a indústria em crise e o comércio internacional em retracção, havia dois únicos lugares onde a economia crescia a alta velocidade, a União Soviética e a Palestina judaica. O caso da Palestina é pouco conhecido e o motivo do seu crescimento económico é muitíssimo interessante, mas de carácter estritamente político. Para o mundo eram os planos quinquenais soviéticos que importavam, numa demonstração cabal de que a organização centralizada da economia ultrapassava os problemas que o livre mercado era incapaz de solucionar. Enquanto os especuladores se punham em fuga ou se suicidavam e os patrões abriam falência, os burocratas e a tecnocracia mostravam como se podia dirigir com êxito a vida económica. Para quem o esqueça hoje, foi assim a década de 1930.
Mas os políticos e os gestores preocupados com a salvação do capitalismo hesitavam. Valeria a pena incorrer nos custos sociais de uma revolução − com o risco suplementar de ela vir a ser verdadeiramente revolucionária − para organizar centralizadamente a economia? A experiência do estado-maior alemão durante a primeira guerra mundial mostrara que era possível organizar a produção e o consumo partindo do terreno firme da ordem e sem pôr em causa a propriedade privada, e Lenin nunca escondeu o que a sua concepção de comunismo devia à economia de guerra do estado-maior alemão. Encontramos aqui os pólos que presidiram à tentativa de reconstrução do mundo na década de 1930.
Entre esses pólos proliferaram elementos intermédios, veiculando influências recíprocas. Foi neste meio que se gerou a noção de Economia Organizada. Era por definição um meio discreto, porque não se integrava nas principais forças políticas, e esta vocação de obscuridade correponde à forma de exercício do poder pelos gestores. Conviria estudar esses personagens dos bastidores, deslindar-lhes os percursos. Situados entre os dois pólos, quando não em ambos ao mesmo tempo, qualquer que fosse o rumo dos acontecimentos eles tinham representantes no lado vitorioso. Depois da guerra, foram eles quem fez o mundo.
JOÃO BERNARDO é autor de vários trabalhos, entre os quais se destacam, mais recentemente, Labirintos do Fascismo. Na Encruzilhada da Ordem e da Revolta (Porto, Afrontamento, 2003) e Capitalismo Sindical (São Paulo, Xamã, 2008), João Bernardo reside a maior parte do tempo no Brasil, onde tem sido conferencistas em diferentes universidades.
Dia 5, das 18h30 às 21h, dia 6, das 15h às 18h. Na Casa da Achada.

About these ads

8 thoughts on “A economia organizada

  1. Desde que tu chegaste às caixas de comentários dos blogs que não temos parado. Hoje é dia de spectrum?

  2. Então Paulo, novamente por aqui. Fui espreitar e o seu blog não é actualizado desde 27 de Janeiro. Toda uma multidão de leitores entregues à sua sorte…
    Porque não escreve qualquer coisa a nosso respeito, que seja mais do que uma frase na caixa de comentários? Vai ver que não custa nada.

  3. “João Bernardo reside a maior parte do tempo no Brasil, onde tem sido conferencistas em diferentes universidades.”
    Oh Ze, o que e’ a profissao de conferencista? o gajo aparece em tudo o que e’ conferencia, tipo emplastro do fcp? ganha a vida a organizar conferencias? faz exactamente o que afinal?

  4. Quer dizer que não está vinculado directamente a nenhuma instituição e vai propondo cursos, seminários e conferências a várias universidades. Mas a nota indica basicamente que ele dá várias conferências e não que pertence ao sindicato dos conferencistas.

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s