Parido pelas putas

G263.jpg
Beijo da rua ganha o mundo via internet, 16 anos
depois de concebido por Gabriela Leite e colegas da vida,
para dar visibilidade aos desafios e conquistas da categoria
O Beijo da rua nasceu de uma proposta das participantes do I Encontro Nacional de Prostitutas, em 1987, no Rio. As 70 mulheres de 11 estados queriam ter um veículo de comunicação que contribuísse para o movimento organizado da categoria. Um ano depois, em dezembro de 1988, a edição piloto do jornal (com o número 0) foi parida no Recife, durante outro evento de profissionais do sexo. Em abril de 1989, o número 1 do tablóide foi lançado em noite de festa e boemia numa boate do Centro do Rio. Agora, ao completar 16 anos de vida, o jornal das prostitutas chega ao mundo pela internet, no sítio www.beijodarua.com.br. Duas coincidências marcam este momento: o mês de dezembro e o lançamento do site em uma capital nordestina, desta vez Salvador. Além, claro, de ocorrer durante outro encontro da classe, este promovido pela Associação de Prostitutas da Bahia (Aprosba).

No site http://www.beijodarua.com.br/.
E ainda pensamos que Portugal tem movimento social. No Brasil, imagine-se, há putas organizadas e na luta desde meados de 80.
[Paradise Café]

4 thoughts on “Parido pelas putas

  1. mas por outro lado um sindicato dos sex workers inglés é organizado principalmente por uma anarquista portuguesa, raquel não sei o quê, que teve o seu retrato pintado pela Paula rego.

  2. Sun tzu, essa raquel até fez uma tese sobre o moviumento social das putas inglesas
    ou não foi ela?

Os comentários estão fechados.