« Keffieh » sinónimo de « lenço árabe » sinónimo de « terrorismo »?

Há cerca de 10 anos comprei um keffieh em Portugal. Lembro-me que na altura gastei as minhas reservas económicas para poder transportar um símbolo revolucionário, de resistência e de solidariedade com o povo palestino. Reconheço também um fenómeno de moda no ocidente, que segundo reza a história, foi iniciado em França por volta de 1983 com o evento da Marche des Beurs (grande cortejo contra o racismo que começou em Marselha e acabou em Paris reunindo mais de 60 000 pessoas).

Hoje, quando li o post de Bomb Jack, foi como se a terra se abatesse sobre a minha representação, talvez naive, do simbolismo do keffieh que eu tinha outrora, com quinze anos apenas. Em dez anos, muito aprendi sobre o mundo árabe. Em cinco anos em França tive contacto directo com os interditos do Islão, dancei ao ritmo de Feiruz e provoquei os meus amigos muçulmanos com uma boa linguiça de porco feita pelas mãos da minha tia no norte de Portugal. Estive ao lado de libaneses em Julho 2006, ri com sírios, dormi com palestinos, entre outros. Hoje, quando a subcomissária Paula Monteiro afirma “o saco estava coberto com um “lenço árabe”, o que “ajudou a levantar suspeitas sobre o seu conteúdo”(questiono-me ainda se o Keffieh que comprei há dez anos é o mesmo que cobria hoje o saco suspeito), faz com que o meu repúdio pela luta anti-terrorista se amplifique de tal ordem, que estaria pronta a engrossar as fileiras daqueles que se guerrearam contra as cruzadas na Terra Santa. As autoridades portugueses há muito tinham enveredado politicamente por esta luta-antiterrorista sem freios… No entanto, a história de falar em “lenço árabe” na praça pública portuguesa transforma esta via política numa via muito mais perigosa, i.e. na via dos actos e dos preconceitos contra uma cultura e populações. Também eu faço aqui uma amalgama entre mundo muçulmano e mundo árabe, mas isso era tema para outro post…
Esta história ridícula fez rir às gargalhadas as pessoas que me rodeiam no meu quotidiano… por estas gargalhadas tive direito a um presente, 10 anos depois, a um novo Keffieh (made in Siria). O único problema é que também em França o porte do “lenço árabe” transformou-se num acto político-terrorista! Pois então, Bomb Jack, somos já dois potenciais terroristas.

11 thoughts on “« Keffieh » sinónimo de « lenço árabe » sinónimo de « terrorismo »?

  1. Uma pequena pergunta… alguém sabe se devemos dizer em “português correcto” palestino ou palestiniano?

  2. Uso o meu lenço, presente de amigos paquistaneses, tenho a barba grande e às vezes também cubro a minha cabeça. Não sou muçulmano e acho ridículo todo esse “circo” armado que somente faz aumentar a islamofobia na Europa. Palestino e palestiniano são ambos aceites na língua portuguesa. Os brasileiros (e Saramago, se eu não estiver enganado) usam a primeira forma, os portugueses a segunda. Penso que os portugueses foram buscar uma tradução do francês do termo. É fácil pôr a questão: os/as naturais da Argentina são argentino/a, das Filipinas, filipino/na. Porque que é que Palestina é diferente? Às vezes as línguas não fazem muito sentido, é o que penso.

  3. Assalamo aleikum wr wb.
    Caro Sr. Jornalista.
    “A justiça da causa determina o direito da luta. Sou um rebelde e minha causa é a liberdade.”
    Parecem palavras de um “Terrorista” Brasileiro antes da abertura política, mas são palavras de Yasser Arafat; Como desejamos um Brasil livre, tambem nós os muçulmanos Brasileiros, desejamos que a palestina seja soberana.
    Allauh Akbar.

  4. Pois é amigo!Quem sabe um dia o nosso amado keffieh não seja regenerado .Entretanto conta com mais uma terrorista.Neste inverno tem sido bem aconchegante.Eu noto alguns olhares.De admiração por parte de jovens e total ignorãncia nas camadas
    ignorantes.
    Terrorismo achei mesmo aquela da linguiça.

  5. Pois é amigo!Quem sabe um dia o nosso amado keffieh não seja regenerado .Entretanto conta com mais uma terrorista.Neste inverno tem sido bem aconchegante.Eu noto alguns olhares.De admiração por parte de jovens e total ignorãncia nas camadas
    ignorantes.
    Terrorismo achei mesmo aquela da linguiça.

  6. Se Palestina é um nome romano aplicado á região depois do ano 70 em substituição á Judeia e Samaria. Como é possivel existir um povo arabe chamado de palestino se o nome é de origem romana?

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s