Ainda sobre a grande manif

No meu tempo, Carlos Gonçalves não era tão sectário e caceteiro… Parece que a metamorfose compensou. Descobri que hoje em dia ele é da Comissão Política do CC.
«Note-se a tentativa – derrotada – de repetir «incidentes» como o de V. Moreira, no 1.º de Maio de 2009, com a (contra) manifestação sectária do BE, a provocação dum grupelho de «anarcas», ou os «empurrões com a polícia», encenados para uma câmara de televisão, cuidadosamente colocada numa rua afastada do percurso da manifestação.»

10 thoughts on “Ainda sobre a grande manif

  1. parece-me que a crítica é ao tratamento mediático e o peso no debate público do BE, dos anarcas e dos empurroes, mais do que aos três propriamente.
    se é assim, é a citaçao fora do contexto que é sectaria e caceteira. resta saber se compensa… ;-)

  2. garcus marvey: Acho que estás a ser ultra-indiligente para com o Carlos onçalves… Já aqui houve quem referisse a concentração anticapitalista como uma espécie de contra-manif, mas o Carlos vai mais longe e diz que o BE fez uma contra manifestação… e estamos a falar de um artigo de opinião no Avante, de um membro da CP. Não é conversa de café de um militante qualquer…. no entanto, essa própria tentativa rebuscada de justificação é já positiva e sinal de qualquer coisa.

  3. Olá, Saboteur
    dexa-me dizer-te, que embora nao subscreva o tom das criticas do camarada Gonçalves (aproveito para acrescentar que nao ache que estar na CP do CC seja compensador para nnguém, muito pelo contrario, por isso acho o teu comentaro um pouco mauzinho, mas cada um sabe o tom que usa) tambem nao gostei de ver o BE aparecer de forma organizada (o bloco em bloco, algo assim rezava a convocatoria), com os seus cartazes, as suas palavras de ordem e até os seus autocarros e ao contrario do que alguém defendia no vias de facto, bastante bem identificados.
    Já nao me lembro, sinceramente, se estavas nas manifs do superior em 97-00 ou se nos conhecemos enquanto eu estava na DCESecundario, mas certamente recordar-te-às que muitas vezes discuta-se naquelas reunioes as atitudes do PSR nas manifs, assumindo-se claramente como partido com o Pedro Sales à cabeça, e criando uma sensaçao de mal estar em muitos dirigentes nao só comunistas mas de todas as sensibilidades e, de forma efectiva, prejudicando a luta porque afastava estudantes e dirigentes associativos.
    Eu nao contesto o direito do BE se mostrar como BE em uma serie de iniciatvas de caracter unitario, mas tambem acho que isso é prejudicial para a luta porque tentam afirmar a sua presença enquanto a “retaguarda da classe operária”, assumindo um papel que claramente nao o merecem ao inves de contribuir para o esforço colectivo (nem que seja por razoes de logistica)da CGTP…
    Creio que é tudo, um abraço
    rafael

  4. Rafael: Já sei que é muito duro ser dirigente. Um verdadeiro fardo para o camarada que ele teve de aceitar a contra-gosto porque o Partido assim o desejou. :P
    Realmente o meu comentário é mauzinho, no sentido em que ligo a alteração do discurso do Gonçalves (que é real e objectiva), à sua promoção no aparelho do Partido após a saída de Carvalhas (objectivo e real). Desculpa lá, ó Gonçalves… Mas o importante não é isso, Rafael.
    O importante quanto a mim é que um membro da CP do PCP vem escrever no Avante aquilo que ele escreveu. E daquilo que ele escreveu, quanto a mim, o mais grave é dizer que o BE realizou uma contra-manifestação à da CGTP… E isso leva-nos ao outro assunto.
    Não sabes se eu estava nas manifs do superior de 97 a 2000? ehehehehe… Nesse tempo a JCP tinha 17 colectivos de escola activos na academia de lisboa, com um núcleo activo de cerca de 100 estudantes, com presença nas AE’s de mais de uma dezena de escolas. Onde é que achas que eu estava nas manifs? …Claro que partilho da tua apreensão em relação em relação à forma como o PSR actuava nessa altura e à forma como o BE se organizou agora na manif (se bem que ainda assim foram coisas diferentes, hem?), mas daí a dizer que era uma contra-manifestação, caraças!
    Nem nunca na nossa altura nós dizíamos que o facto de eles irem para as manifs dos estudantes distribuir propaganda partidária era alguma espécie de contra-manifestação, ou provocação, ou tácita para enfraquecer a luta dos estudantes. Apenas riamo-nos daquilo e achávamos que esse era um sinal evidente da sua fraqueza e fraca implantação entre as massas.

  5. Saboteur, já nao me lembrava, só isso, a minha memoria é memoria de peixe :).
    Quanto à actuaçao do PSR nas manifs, nao me pareece que fosse só uma piada, visto que em ENDAs lembro-me de associaçoes academicas como Aveiro, UBI e outras de estudantes no Porto (aqui já nas AGs da FAP) mostravam-se reticentes em participar por causa exactamente da partidarizaçao da luta. Essas attudes do PSR, assim como o extremiismo do discurso na 1ª referendo do IVG (lembro-me do cartaz do crucifixo em cima da barriga) entre outros apenas serviram de forma “clara e objectiva” para serem prejudiciais à luta.
    ò pá, se subscrevo a expressao “contra-manifestaçao” (em que o contra está entre parentes, acho eu, por isso denota uma preocupaçao em nao afirmá-lo claramente mas em insinuar algo latente no seu sentido, nao explicito), nao, nao subscrevo.
    Se acho que as preocupaçoes com a forma como o BE age em iniciativas unitárias sao excessivas, nao, nao acho. acho que sao muito bem justificadas e o problema nao é saber se se mete mais um ou outro deputado, se mais 0,5 ou menos 0,5 % ou o carago. O problema é se estas atitudes prejudicam a luta. Essa é que é essa…

  6. Saboteur, nao estive na manif de maneira que opino apenas sobre o que li, ou seja, nao posso dizer se concordo ou nao com a expressao contra-manif.
    agora, nao me parece tao incoerente ou escandaloso (ao ponto de justificar a tua indignaçao, vá lá) considerar que, numa manifestaçao teoricamente unitaria, um grupo autoreivindicativo e expressamente alternativo à convocatória, tenha um efeito contrário ao dessa unidade pretendida.
    que me digas que a crítica ao BE (ou aos anarcas, mas só referes o BE na tua resposta) deveria, sendo levada à letra, aplicar-se até ao próprio PCP, até posso estar de acordo, agora o escrito em si nao é tao absurdo.

  7. Meus senhores quem esteve na manifestação não viu cartazes com a menção BE, o que existia era um cartaz , aliás levado por muitas pessoas ao longo da Manifestação onde estava inscrito
    O Cinto Deles Nunca Aperta.
    E um auto colante onde estava inscrito
    Não pagamos a crise deles
    VAMOS À LUTA.
    Simbolos do Bloco não existiam.
    O Bloco convocou, e apoiou a manifestação , e muitos dos seus dirigentes e militantes concentram-se na fim da manifestação .
    Mas muitos outros estiveram com as empresa onde trabalham, com os sindicatos onde são filiados ou dirigentes, ou com as organizações locais onde residem .
    Já é habito o PCP no Avante dedicar semanalmente dois ou 3 artigos ao BE, alguns até bem mais provocatórios do que este.
    Seria de perguntar se o PCP não deveria estar mais preocupado com o Passos Coelho e o PSD, pois as proposta que a nova direcção do PSD vem apresentando diariamente, a serem postas em pratica , vão ser o maior ataque aos direitos dos trabalhadores desde o 25 de Novembro de 1975.

  8. Augusto,
    os cartazes tinham a mesma linha grafica que um grande outdoor colocado no marquês que tinha o simbolo do bloco.
    os autocarros fretados pelo BE para a manifestaçao estavam identificados com o logo do Bloco.
    Se quiser, tenho fotos e posso-lhas enviar…

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s