Uma ruptura decisiva na consistência da vida quotidiana


Porque se insistimos em pensar no aspecto insurreccional do que se tem passado – isto é, o que faz disto mais do que uma mera manifestação de “criminalidade” e consumismo destravado, como tem sido dito –, percebemos que tal não reside simplesmente na gravidade da violência ou no grau de desafio ou perturbação que traz ao funcionamento do Estado. Para além da evidência de muitos dos que participaram nos motins estarem eles próprios a organizar-se de uma forma muito séria (mesmo que o resultado disso não se assemelhe ao que as pessoas reconhecem como uma organização política), a natureza insurreccional reside também, estranhamente, no facto de lojistas e outros estarem a cuidar de si próprios munidos de bastões de baseball, no facto de estarem a agir contra uma situação insurreccional.
Pois é aqui que há um destroçar das linhas de solidariedade previamente assumidas, que há uma ruptura decisiva na consistência da vida quotidiana. Um levantamento não de todos contra o Estado, numa divisão nítida, mas um levantamento em muitas frentes. Um fervilhar de contradição que indicia a completa deslegitimação da capacidade do Estado para gerir a sua população, aos olhos dessa mesma população. Um agir que não espera pela mediação da polícia. É uma coisa bonita de se ver? Não. De modo nenhum. Mas é uma parte inextricável da negação do que temos.

Evan Calder Williams, Carta aberta aos que condenam as pilhagens, Lisboa, Edições Antipáticas, 2011

Anúncios

24 thoughts on “Uma ruptura decisiva na consistência da vida quotidiana

  1. isto do rda69 é muita bom, só gostava de saber onde é que esta cambada de “anarco”-“autónomos” arranja dinheiro para pagar um armazém no centro de Lisboa mais as edições mais os projectores. Muita critíca aos partidos e ao pessoal que se mexe a sério de modo organizado mas depois nem se os vê nas lutas que importam. Para mim cheira-me demasiado ao MRPP no PREC e às ligações obscuras aos Americanos, não por acaso dizem-me que um deles viveu por lá. Então quem é que paga o espaço “autónomo”? é o papá ou é a CIA/SIS?????

  2. Tendo sido levantadas legítimas dúvidas acerca da proveniência do financiamento que permite aos “anarco-autónomos” (PSP dixit) pagar um “armazém” (sic) no centro de Lisboa, vem este gabinete de imprensa esclarecer que o mesmo resulta da carteira de investimentos do respectivo fundo de pensões, somado ao negócio de alterne que ali funciona nas madrugadas de 4ª feira e a uma comparticipação nas receitas obtidas na pilhagem de diversas superfícies comerciais em Londres. Mas tanto o papá do Olivier como os seus colegas do SIS estão desde já convidados a contribuir para que mais e mais iniciativas rizomáticas ali tenham lugar. Propostas de sponsoring e advertising devem ser enviadas para: Regueirão dos Anjos, nº 69, 1000-152, Lisboa

  3. Brutal ! das coisas mais cómicas que já li neste blog :)
    aparece mais vezes olivier zhan, é divertidissimo ler-te… A Cia a pagar uma armazem a cair de podre no regueirão… lindo
    agora quem não põe os pés na america sou eu, safa

  4. Não é um armazém a cair de podre. É um loft sofisticadíssimo, “Lisbon’s next big thing”, nas palavras do NY Times. O pessoal que se mexe a sério de modo organizado (ufa!) está convidado a aparecer para mostrar como se faz. Não vale trazer um papelinho a dizer “adere!”.

  5. Claro que o armazém está a cair de podre. Se estivesse limpo, bem iluminado e arrumado era de certeza um local demasiado “quadrado” para os radicalóides que por lá polulam. Tudo parte de uma estética que prima pelo iconoclasmo fácil e superficial dos anarco-situ-autono-gandas malucos.
    Respondam então: Quem paga os devaneios e caprichos destes putos com a mania? Quem tem interesse em que a luta se desagregue em mil clubinhos a competir pelo titulo do mais radical da praça?
    É fácil. A direita.

  6. Sou eu, eu e que pago o RDA. Sou eu!
    Alias, tambem sou eu que pago ao Olivier para vir trollar para a caixa de comentarios do spectrum.

  7. Estou atónito !
    Pensava que a minha contrubuição para a RDA69 era exclusiva.
    Agora sai para a praça publica que hà financiamentos do Américo Amorim, da CIA.

  8. Perfect Storm
    “youtube.com/watch?v=IMvuoGji3yU”
    This mini-documentary film looks at the initial causes and wider context surrounding the recent England riots.

  9. Da-se, chamar anarquistas aos da RDA é que não!!!os homens a tentar fazer uma nova esquerda e logo aparece um facho que se acha atento a confundir tudo.

  10. Facho? Quando participares em organizaçoes que durante 48 anos combatwram o fascismo talvez me possas dizer algo sem te babares todo com a merda que te jorra da boca.
    Se bem me recordo já várias vezes escreveram aqui querer destruir a esquerda. Sao anarcas sim, p que é diferente de anarcoides.

  11. “Participar” soa muito reformista olivier. No meu tempo ainda se “militava”. Quantos anos é que TU passaste a combater o fascismo?

  12. camarada Olivier,
    vou-te contar um segredo que sei que irá desiludir-te tanto quanto a mim me enche de frustração:
    Infelizmente, a maioria das pessoas que “participa” no RDA, como eu, e mesmo na Severa, são obrigadas a trabalhar – vê lá tu…- é isso que acontece com quase todos nós.
    Quase todos somos velhinhos e com pouca energia para roubar, por isso fazemos parte dessa imensa maioria de escravos que vendem a sua força e o seu tempo para dispor de um orçamento mensal algures entre os 485 e os 1000 euros.
    E, vê lá… Não só conseguimos fazer uma vaquinha para pagar a renda de dois buracos cheios de charme no centro de lisboa, como ainda somos obrigados a “participar” (através do roubo e do saqueio organizado a que a esquerda e a direita chamam de “impostos”) nos salários e encargos dos fervorosos “militantes”, funcionários e deputados, que “polulam” no teu partido de m * r d @. É incrível, não é? Não estavas à espera de tanta generosidade, pois não s u í n o ? …
    Devo dizer-te ainda olivier que, se por acaso a CIA viesse ter comigo e me oferecesse esse dinheiro todo de que tu falas para acabar com a esquerda, eu aceitaria de imediato e com o maior dos prazeres e excitação. Porque na minha opinião seres como tu, que militam e obedecem a um sistema partidário qualquer, não são nem militantes nem “participantes”, são colaboracionistas. São aqueles que andam a degladiar-se para gerir a miséria dos outros, como eu.
    Infelizmente para nós os dois a CIA sabe bem de que lado está, não se baralha tão facilmente como os militantes do teu partido. Sabe que a esquerda (e então a europeia…) não representam nenhum perigo nem para os interesses da américa nem para os interesses do capitalismo há muitas décadas, rapaz. Pelo contrário.
    Repara só quem são os novos best-friends do Kissinger. googla “on china + kissinger”
    Por outro lado, vai ver quem é que está neste momento a ir para a prisão onde quer que se esteja a lutar pela vida e contra a economia, como acontece na Grécia.
    Só mais uma coisa, esse partido de que tu falas e a que te orgulhas de pertencer, esteve de facto 48 anos a lutar em portugal. Mas não foi só contra o fascismo. Foi na maioria das vezes pela hegemonia da oposição ao fascismo. Vai outra vez ao google e pesquisa sobre os início da resistência ao fascismo. Como estava organizado o chamado “operariado”? Quais foram as primeiras tentativas de derrube e decapitação do regime? Como se portou o partido comunista nessas tentativas de insurreição? qual foi o papel desse partido na guerra de espanha, que envolveu e matou milhares de revolucionários ibéricos, também daqui deste canto de merda?
    tem vergonha e derrete-te olivier és um pedaço de c ó c ó !

  13. xi mao maria, essa foi pesada….tens que deixar ao Olivier alguma razão para existir. Esses como o Olivier é que costumam espezinhar a existência dos outros.
    ass: o que te chama facho
    p.s. fascismo é uma coisa, facho é outra. Facho aplica-se a todos que tenham uma atitude como tu, venham eles do anarquismo,pnr, do pcp, psr, pctcp. Algo mais intrínseco, mais perto do goto. Lembra-te do Mussolini que também foi militante do PCI e o resto já sabes.
    Entretanto vai-te lembrando dos camaradas que “participavam” como tu. A maioria de férias em Praga e Moscovo. Os outros, que recebiam ordens da tua “vanguarda” participativa, são aqueles que ficaram a apodrecer na prisão (esses é que eram os militantes) e saíram de lá sem grandes oportunidades porque o Partido, para prova da sua militância, obrigava-os a entrar na clandestinidade em vésperas do último exame de faculdade.
    E, “participantes” como tu, chegaram ao país em salvas, com um curso tirado em cirílico e bem postos.
    Se não fosse essa hegemonia de vossas excelências “participativas” ao invés de militantes, não tínhamos aturado 48 anos de fascismo.

  14. Pronto, abriram as portas do jardim infantil.
    O Mussolini foi militante do PSI. Quando o PCI foi criado já ele era fascista.

  15. O PCI foi criado depois do Mussolini ser fascista.
    Mussolini traduziu a primeira versão para italiano do “Unico e a sua propriedade”, quando novo. Fez também uns biscates para o MI6, serviços secretos da rainha de inglaterra.
    Já o PCP nem sempre combateu o fascismo. Em 1939, Bento Gonçalves escreveu a Salazar, propondo um aliança nacional, ou qualquer coisa assim que defendesse o país dos ingleses e outros interesses.
    Parece que até o jovem Cunhal chegou a tecer um elogio ou outro a Hitler… isto claro nos tempos do pacto germano-sovietico, antes de se zangarem outra vez… ou seja não foram bem 48 anos “seguidos” a combater o fascismo seu palerma

  16. >> Out of Office reply >>>> Your message was sent to davidpetraeus
    < on October 5th, Olivier Zahn said: DAD!!!! why don't you answer my phone calls anymore? :-( I've been trying all week…
    Did you get that cellar in brooklyn for me? It's urgent! Please do not forget about the special effects room, full of cables and wires, so i can give free rein to the amazing misinformation and delusional schemes i have in my head (you'll just love them).
    please call Dad, i miss you so…
    olivier
    P.S: mom wants you to bring some cheese.
    And give those greek bastards a hard time!

  17. >> out of office reply < this is an automatically generated message: Gone to Greece. Best regards. David Petraeus << on October 5th, Olivier Zahn said: DAD!!!! why don't you answer my phone calls anymore? :-( I've been trying all week…
    Did you get that cellar in brooklyn for me? It's urgent! Please do not forget about the special effects room, full of cables and wires, so i can give free rein to the amazing misinformation and delusional schemes i have in my head (you'll just love them).
    please call Dad, i miss you so…
    olivier
    P.S: mom wants you to bring some cheese.
    And give those greek bastards a hard time!

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s