Aspirante a manual de boas maneiras para protestos anti-austeritários*

…até despacharmos a direita (e depois logo vemos quem é que é mais de esquerda)
cenourapocoelho.jpg
Mínimos de referência 2012 – para os movimentos sociais, sindicais ou não – versão 1.0
– os protestos, para terem interesse e impacto, têm de perturbar a ordem estabelecida. ‘Violência’ é a exibição de símbolos de repressão, todo o aparato policial para conter pessoas que se manifestam pacificamente ou os infiltrados que têm provocado distúrbios violentos nas mais recentes manifestações (e que as pessoas têm o direito de expulsar, pacificamente, das mesmas). Atirar coisas, que não magoem, aos símbolos de poder (financeiro ou político) – confettis, pétalas, purpurinas, peluches, tinta, bolos, tomates (maduros), ovos (crus, podres ou não), cenouras (cozidas), ou outras coisas que não ponham em causa a vida de ninguém, mesmo que atiradas de muito longe -, não são violência.
– a polícia de intervenção não é nossa amiga.
– ‘segurança` de uma manifestação, por parte de um ou mais colectivos organizadores, a existir, serve para garantir a segurança dos manifestantes face a infiltrados e a detenções injustas: são pessoas incentivando acções de grupo, apelando à solidariedade dos restantes manifestantes por forma a impedir os abusos policiais.
– as pessoas têm direito à autodefesa – individual ou colectiva – da detenção injusta ou ilegal e do abuso de poder; os manifestantes não são culpados até prova em contrário.
– não se deixam manifestantes para trás, numa acção pública. Aqueles que a polícia estiver a pressionar mais devem ser protegidos pelos restantes.
– todos os colectivos anti-austeritários são solidários, fazem circular informação entre si e tentam coordenar acções e mobilização em conjunto.
– nenhum colectivo anti-austeritário tem o direito de boicotar, canibalizar ou concorrer com acções e manifestações de outros colectivos.
– todos os colectivos anti-austeritários são bem vindos às acções dos restantes, sendo implícita a liberdade total de participação em cada protesto ou acção pública – utilização de máscaras, cartazes, bandeiras, faixas, palavras de ordem etc –, a comunicação prévia e o apoio público à acção são de bom tom
– chega de carros de som, vivam os rádios portáteis, megafones, apupos, vaias e a voz das pessoas.
– todas as pessoas e todos os colectivos têm direito a convocar o que quiserem: “se não concorda, não participe mas não atrapalhe.”
– o que conta é a expressão colectiva e livre, não as estrelas e as vanguardas dos movimentos.
– não há só manifs e greves: imaginação ao poder.
– estão excluídas pessoas sem sentido de humor
Cidadãs. Várias.
*excepto grupos nazis, neonazis, xenófobos, racistas, homofóbicos ou sexistas, que não são bem vindos.

.

Anúncios

One thought on “Aspirante a manual de boas maneiras para protestos anti-austeritários*

  1. – todas as pessoas e todos os colectivos têm direito a convocar o que quiserem: “se não concorda, não participe mas não atrapalhe.”
    Ora ai está, esta frase serve para tanto

Comentar

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s