Están perfectamente equivocados – Juan Gelman

gelman

Elogio de la culpa, por Juan Gelman:

¿Hubo que ser “inocente” para tener acceso a la categoría de “víctima de la dictadura militar”?

Mi hijo no lo fue. No fue “inocente”, sí víctima. Marcelo Ariel Gelman tenía 20 años cuando fue secuestrado en su casa por un comando militar, el 24 de agosto de 1976. También fue secuestrada su esposa Claudia, encinta de 7 meses. Los restos de Marcelo fueron hallados a fines de 1989, gracias a la abnegada labor del Equipo Argentino de Antropología Forense. Fue asesinado de un tiro en la nuca disparado a medio metro de distancia. Ahora tiene sepultura y es éste un hecho sumamente importante para un padre huérfano de hijo, como soy, porque el rescate de sus restos fue el rescate de su historia. Brevemente, es la que sigue:

Marcelo tuvo inquietudes políticas desde su niñez. A los 9 años me sorprendía con preguntas turbadoras –y pertinentes– sobre el Che y su consigna de crear varios Vietnam en América latina. Sé por compañeros de escuela de Marcelo que ya en la primaria ejercía la protesta. Le molestaba la injusticia. Molestar es palabra muy suave para lo que sentía: indignación. Sé también que a los 14 años estaba en la Juventud Peronista de la resistencia, poniendo caños contra las transnacionales. Como miles de jóvenes, confió en Perón. Tenía 16, 17 años y se desilusionó profundamente cuando Perón volvió al gobierno y apoyó a la fascista Triple A y calificó de “jóvenes imberbes” a los que habían luchado por su retorno. La desilusión no lo confinó en la pasividad. Se fue de la Juventud Peronista por la izquierda, con la Columna Sabino Navarro. Desilusionado otra vez, merodeó por el ERP, que tampoco lo convenció. Cuando lo secuestraron no tenía militancia partidaria, pero sí la suficiente historia militante como para que la dictadura militar lo considerara un enemigo. Encontraron su dirección en la libreta de anotaciones de una muchacha del ERP.

Estoy orgulloso de la militancia de mi hijo. A veces pienso que algo tuve que ver yo con ella y eso redobla mi orgullo y mi dolor. Mi hijo no era un “inocente”. Le dolían la pobreza, la ignorancia, el sufrimiento ajeno, la estupidez, la explotación de los poderosos, la sumisión de los débiles. Nunca se sintió portador de una misión, pero quiso cambiar el país para que hubiera más justicia. Hizo lo que pudo, callada, humildemente. De todo eso fue “culpable”. ¿Y no fue por eso víctima de la dictadura militar? Repito la pregunta: ¿Hubo que ser “inocente” para tener acceso a categoría de “víctima de la dictadura militar”?

Es verdad que hubo muchas víctimas inocentes de la dictadura militar. Por ejemplo, niños con vida y niños no nacidos todavía. Hombres y mujeres sin militancia alguna que sólo pertenecían a esa secreta intimidad llamada pueblo y que fueron también asesinados. La dictadura militar consideró “culpables” a decenas de periodistas que no pensaban como ella. A centenares de intelectuales que no pensaban como ella. A sacerdotes, abogados y a miles de obreros y estudiantes que no pensaban como ella. A los familiares de personas que no pensaban como ella. Y también a muchos que deseaban cambiar la vida, como pidió Rimbaud, y lo intentaban por distintos caminos.

¿Y por eso no son “inocentes”? Todos ellos, sea que canalizaran su voluntad de cambio por escrito, desde el púlpito, la cátedra, los sindicatos, centros estudiantiles, organizaciones populares, partidos políticos, o por las armas, ¿no son acaso víctimas de la dictadura militar? ¿Fueron encarcelados o fueron secuestrados, torturados y alojados en campos clandestinos de detención? ¿Tuvieron un juicio imparcial o fueron brutalmente asesinados? ¿Se les permitió ejercer su derecho dedefensa o les pegaron un tiro en la nuca desde medio metro de distancia? ¿Se notificó su paradero a los familiares o se los “desapareció”, creando una angustia que para muchos dura todavía? ¿Pudieron ejercer su derecho de pensamiento y expresión o fueron amordazados con la muerte más atroz, la muerte anónima? ¿Por qué no entrarían en la categoría de “víctimas”? ¿Porque querían cambiar la vida? ¿Se piensa acaso que los militares asesinaron inocentes “por error”? ¿Que son locos sueltos y no la expresión más despiadada de los intereses que quieren que la vida siga como está?

Y quienes hoy pretenden que todos los asesinados fueron “inocentes” o que sólo los “inocentes” son defendibles y aun reivindicables: ¿En qué sombrío negocio consigo mismo están? ¿Quieren borrar la historia con un trapo? ¿Piensan que la dictadura era mala cuando mataba inocentes –los “excesos”– pero que hacía bien en matar a los otros? ¿Son las gentes que bajo la dictadura decían “por algo será” cuando alguien, hasta un ser querido, desaparecía? ¿Y ahora otorgan diplomas de inocencia para que ningún asesinado los moleste y puedan “condenar” a la dictadura militar en olor de legalidad?

Esa hipocresía declarada encubre una infamia sin nombre: condona el asesinato de quienes no fueron inocentes y afirma la “inocencia” del hambre, la pobreza, la explotación de millones de seres humanos, su humillación y marginalidad. Da la razón a la dictadura militar y deja amplios espacios para que la infamia persista, victoriosa.

El 14 de octubre se cumplieron 2 años del hallazgo de los restos de Marcelo Gelman que, mezclados con cemento y arena, fueron arrojados al río Luján.

Anúncios

Projectos inúteis no Mundo – Desinformémonos

http://desinformemonos.org/

Fui dar ao site desta revista comunitária através do nome da sua editora, Gloria Muñoz Ramirez, autora de 20 y 10: El fuego y la palabra, que andei a ler por estes dias que medeiam entre o aniversário da formação do EZLN e do levantamento zapatista e que foi editado faz precisamente 10 anos por ocasião das referidas efemérides. Há uns dias atrás, lançaram este pdf, com tradução em vários idiomas (aqui em português) cujo tema me pareceu interessante. Os textos são curtos, são praticamente pequenos resumos, mas no final de cada um estão os links para as reportagens completas e mais informações sobre cada caso em particular. O site, este pdf e o livro dela são bastante recomendáveis a quem apoia o que vem de baixo e à esquerda. Segue o editorial:

ZAD

Ninguém lhes pergunta se querem ver uma estrada atravessando sua
floresta; se decidiram que seu povo seja inundado por uma represa;
se é urgente que as mineradoras levem o outro e a prata extraída dos
seus lugares sagrados; se é do seu desejo que um trem passe e destrua o seu vale, a toda velocidade; ou se faz falta ter um novo aeroporto sobre os seus cultivos; tampouco há a escolha entre o vento e a produção de energia da qual sequer se disfruta. A consulta, que além de ser um direito é um dever, simplesmente não existe quando chega uma empresa transnacional, sempre com o apoio dos governos da vez, e impõe uma forma de ver o mundo na qual o outro, a outra, e seu entorno, simplesmente não existem.

Escoltados pela palavra “progresso”, centenas de megaprojetos inúteis se impõem no mundo. Um Trem de Alta Velocidade no Vale de Susa, na Itália; uma hidroelétrica em Belo Monte, Brasil; um aeroporto em Notre-Dame-des-Landes, França; hotéis e campo de golfe nas ilhas de Las Perlas, em Panamá; minas no território wixárika do México e em Famatina,na Argentina; o agronegócio em Moçambique; uma estrada sobre um bosque russo ou empresas petroleiras sobre terras cultiváveis na Nigéria; até mesmo uma Cidade Modelo em território garinagu, em Honduras; os exemplos são somente parte do leque que compartilhamos com vocês nesta segunda etapa da nossa Revista Comunitária Desinformémonos.

Em cada uma das experiências, a constante não é somente a barbárie, mas o empenho dos povos para rejeitar projetos que não pediram, dos quais não necessitam e que não fazem parte da sua vida. Bloqueios às construções, marchas, atividades artísticas, piquetes e barricadas são algumas das manifestações para impedir que sejam levados a cabo. A autonomia é uma das respostas para enfrentar a investida com outra forma de organização local que coloca em evidencia a inutilidade dos megaprojetos impostos.

Distribuído em espanhol, russo, inglês, francês, italiano, alemão e
português, com um olhar global e comunitário, este número da Revista
Comunitária Desinformémonos é o nascimento de uma nova etapa deste projeto de comunicação de baixo e à esquerda.

Desejamos que seja útil.

Saltimbancos

“Todos os países tinham o seu contingente de imbecis, de sacanas e de putas. Era preciso ser um débil mental para acreditar que se passavam coisas importantes noutros lados. A única diversidade era a da linguagem e a única novidade era que os mesmos imbecis, sacanas e putas se exprimiam numa língua diferente. Medhat recusava-se a absolver a aberração dos que aprendiam toda a espécie de idiomas estrangeiros a fim de penetrar o sentido das mesmas palermices que podiam ouvir na sua terra, sem precisar de se deslocar e gratuitamente. Pela sua parte, nunca se sentira tentado a percorrer o planeta à procura de sensações ditas transcendentes por se situarem em hemisférios distantes.

De que servia mudar de continente, aspirar a outros climas, se não se conseguia ver, em primeiro lugar, o que se passava à nossa volta?”

Albert Cossery, Uma conjura de Saltimbancos

556151_385956141427833_687360395_n

Do medo…

Ratos

“À porta de um tribunal, perguntaram a duas trabalhadoras, testemunhas num processo acompanhado pelos media: – “As senhoras têm medo?”- A resposta veio pronta: “Medo?…” – “Mas medo de quê?…”Ali estavam no plano de câmara 2 mulheres de rosto cansado, talvez um pouco inchadas e precocemente envelhecidas, talvez com o cabelo oxigenado, talvez com as camisolas apertadas e as cores trocadas. Mas a pergunta absurda. De que coisa terá medo alguém que cresceu na beira da estrada com o rabo sentado em cima de uma pedra, à chuva ou sob calor intenso, que caminhou até ao primeiro pinheiro e levantou a saia, e viu abrirem-se centenas de braguilhas de indivíduos desconhecidos, recebeu trocos em notas ou moedas por um serviço previamente acordado, se limpou, respirou fundo e chocalhou as pernas ainda assim, e foi sentar-se, de novo, à beira da pedra? De que coisa terá medo alguém que se desenvencilhou por uma coisa que lhe podia dar de comer, o seu sexo, e que por causa disso não teve tempo em construir um discurso sobre a sua intimidade, esqueceu-se ou não teve tempo, ou talvez tenha chegado um dia em que, mesmo que já tivesse amado, abrir as pernas com o rabo em cima de um monte de caruma, a um homem que lhe haveria de dirigir-se da maneira que quisesse, com a pressa de se vir, era uma resposta ao problema da compra da papa, ou do vinho, que também amolece e ajuda a adormecer, e permite esquecer que alguém nos deixou. A humilhação permite que percamos o medo. De que podem ter medo as pessoas a quem os dentes foram caindo e a quem já olharam de todas as maneiras, de cima para baixo e de baixo para cima?
De que tem medo uma mulher a quem nunca consideraram outra coisa que a aceitação, estás a armar-te em fina? De que terá medo alguém que pede esmola na rua? Medo do frio e da fome, talvez.
Há agora, em Portugal, mais mulheres na beira da estrada, outras a caírem-lhe os dentes. Tu, se tens fome. não tens medo de nada. Tu atacas. Tiras o papel higiénico do restaurante onde entraste à socapa e levas o rolo para casa. Chegas a casa e limpas tudo com o mesmo pano: onde antes tinhas os cheiros e perfumes ambientadores. A sopa passa a ser grande porque as colheres são postas lentamente no meio da tigela e é preciso que durem. Deixámos de olhar para o rosto à noite, ou no outro dia que nasce porque está carregado de humilhação, cada vez o medo parece que desvanece mais, cada vez a reacção é mais curta, o pano rasga-se nas mãos, os dedos queimam mas não doem. Estão pessoas a dormir na rua, algumas há anos, outras há poucas semanas, ou dias. Dormem ou dormiam muitas pessoas na Avenida Almirante Reis, abrigados do frio. No outro dia subi a rua e vi que alguns moradores de prédios colocaram uns ferros ou gaiolas de ferro branco para impedir que os sem-abrigo pernoitassem nas sacadas. Para mim, estas são personas non gratas. A higienização da dor ao nosso lado, a única coisa que retribui são pessoas como nós cada vez mais na beira do fio da linha entre a dor e a ausência de medo.”

Obrigado, I.

The truth lies in Rostock

Rostock-Lichtenhagen: August 1992. What began with a small group of youths hurling stones at a refugee hostel quickly escalated into the worst mob attack ever seen against foreigners in post-war Germany.

Over the course of just a few days, disaffected residents, fascist sympathisers and Neo-Nazi leaders joined together to express a collective hatred towards the rising presence of asylum seekers in the neighbourhood. The level of physical and verbal assault from protesters was extreme; with little to no protection from police authorities, it was a miracle there were no fatalities. Through careful study of amateur footage from that day, as well as interviews taken by those who were present at the riot – active participants, locals, refugees, anti-fascists and police – The Truth Lies in Rostock attempts to understand how and why the violence occurred. More importantly, it questions why the events were allowed to take place despite numerous warnings received by the authorities.

Filme completo para download aqui: http://www.journeyman.tv/61690/documentary-films-archive/the-truth-lies-in-rostock.html

Carlos Paredes e Charlie Haden

-Dediquei o espectáculo aos movimentos de negros de Moçambique e Angola, e o pandemónio foi imediato, todos gritavam e aplaudiam. Foi um tumulto desgraçado. Nem se ouvia a canção que estávamos a tocar.

-Que canção era?

-Uma composição minha, “Song for Che”. Che Guevara.

Apanhado nas caixas de comentários do Carlos Vidal, concerteza ocupadissimo com os supostos desenhos de Caravaggio.

APPEL – Terça, 19:00 – RDA69

Nada falta ao triunfo da civilização.
Nem o terror político nem a miséria afectiva.
Nem a esterilidade universal.
O deserto não pode crescer mais: está por todo o lado.
Mas ainda pode aprofundar-se.
Perante a evidência da catástrofe, há os que se indignam e os que agem, os que denunciam e os que se organizam.
Nós estamos do lado dos que se organizam

Texto completo no site das Edições Antipáticas: https://dl.dropbox.com/u/49928768/appel.pdf

Lázaro94 – E agora, Helena?

rinolázaro.jpg
6.º COMUNICADO DA ASSEMBLEIA DE SÃO LÁZARO
No dia de hoje deu entrada no Tribunal Administrativo de Circulo de Lisboa uma providência cautelar a requerer a suspensão da eficácia do despacho 7/GVHR/2012 proferido pela Vereadora da Habitação e Desenvolvimento Social da CML Helena Roseta a 16 de Abril de 2012, bem como da notificação do despejo ordenado pela mesma Vereadora aos ocupantes do n.º 94 da Rua de São Lázaro em 2 de Maio passado, que o vem aplicar.
Põe-se em causa a legalidade do referido despacho, que altera o prazo de desocupação voluntária previsto no n.º 2 do artigo 4.º do Regulamento das Desocupações de Habitações Municipais (RDHM), reduzindo-o de 90 para 10 dias úteis nas situações de ocupações não autorizadas de habitações municipais, e, consequentemente, da ordem de despejo acima mencionada. Aprovado pela Vereadora Helena Roseta ao abrigo de uma delegação de competência do Presidente da CML António Costa, o despacho 7/GVHR/2012 mostra-se inválido do ponto de vista jurídico pela violação de regras de competência, em concreto o facto de ser a assembleia municipal e não o presidente de câmara (ou um vereador por delegação de competências) o órgão competente para decidir alterações a um regulamento municipal.
Nada que nos surpreenda. Já estamos habituados a que o estado e as suas instituições violem as leis que eles mesmos produzem. Foi isso que aconteceu em 25 de Novembro de 2010, quando a Polícia Municipal, acompanhada por elementos da PSP, arrombou a porta do prédio de São Lázaro para desalojar e deter os que então ocupavam o edifício em violação da norma que estabelecia um prazo de 90 dias úteis para o desalojo após notificação. Foi isso que aconteceu no despejo do projecto Es.Col.A, no Porto, em Maio de 2011. Foi também isso que agora aconteceu com o despacho 7/GVHR/2012, aprovado por quem não tinha competência para tal.
Porém, não podemos deixar de recordar a insistência da Vereadora Helena Roseta na sua determinação no cumprimento da lei no que à ocupação de São Lázaro diz respeito. “Não há qualquer hipótese de os ocupantes ficarem no imóvel. Os regulamentos não o permitem.” E permite a lei que o Presidente da CML e a Vereadora Helena Roseta determinem a alteração do Regulamento das Desocupações de Habitações Municipais, uma competência exclusiva da Assembleia Municipal?
Julgamos que as questões da cidade, dos prédios abandonados à mercantilização das praças e jardins públicos, não são de natureza legal ou judicial. São políticas e sociais. No entanto, não recusamos nenhum meio de nos defendermos do autoritarismo da posição da CML, da arrogância e incompetência de quem contribui há largos anos para a construção de uma cidade sem vida. Não está em causa apenas o n.º 94 de São Lázaro. Estão os cinco mil prédios abandonados na cidade de Lisboa, a privatização de espaços públicos de convívio e lazer, toda uma política urbana com consequências criminosas para quem aqui vive, como a manutenção de rendas impossíveis, a impossibilidade de independência dos mais jovens, a retenção e especulação que alimentam e inflacionam o mercado imobiliário dos grandes grupos económicos.
É, afinal, contra tudo isso que Lázaro se levanta.
Assembleia do prédio ocupado na Rua de São Lázaro
14 de Maio de 2012

http://saolazaro94.blogspot.pt/

VALE DA AMOREIRA: ORDEM DE DEMOLIÇÃO

EditalArrentela.JPG
Foi no mês de Março que a Câmara Municipal da Moita colocou os editais assinados pelo seu presidente a anunciar a destruição das hortas situadas entre o Grupo Desportivo, Escola Secundária, Centro de Experimentação Artística e cemitério; um terreno baldio sem finalidade ou projecto de construção. Parte dele está inclusivamente situado na zona de exclusão de segurança do TGV, o que impede qualquer tipo de edificação.
São chamadas as “hortas da crise” por terem surgido em 2009, durante o ciclo de austeridade. A falta de trabalho, o corte nas prestações sociais, o encarecimento de alguns serviços e bens fundamentais (gasolina, luz, trasportes,rendas, etc..), levou a que um grupo de moradores do Vale da Amoreira, em especial jovens, procurassem novas formas de sobrevivência através do cultivo.
Alegam que a Câmara Municipal da Moita “facilitou” a ocupação agrícola do terreno que agora lhes quer retirar.
Por seu lado, o município em evocação da necessidade de destruição das hortas fala em proteger “algum coberto vegetal que interessa ver preservado” e em “danos em infra estruturas existentes” de um terreno baldio e abandonado.
A destruição está marcada para 9 de Maio (Quarta-Feira). Até ao momento nenhum dos ocupantes foi contactado pela edilidade.

http://w.soundcloud.com/player/?url=http%3A%2F%2Fapi.soundcloud.com%2Ftracks%2F45523115&show_artwork=true
Via: Stress.fm

Das paredes para os tabuleiros – Noite de jogos RDA69

xadrez.jpg
“Os hindus explicam pelas casas do tabuleiro a passagem do tempo e das idades, as grandes influências que regem o mundo e os vínculos que unem o xadrez com as almas humanas.”
Al Masudi, historiador árabe, no ano de 947.
Quarta-feira 04/04, noite de jogos no RDA69. Destruir o Monopólio, assaltar as Damas, ocupar o Xadrez, jogar outra vez. As mesas abrem às 19:30, todos os jogos são bem-vindos. Há jantar a partir das 20:30. O desespero termina quando as tácticas começam.

Não se sabe o que é, sabe-se como se apresenta

occupy.jpg
“O Poltergeist, não se sabe precisamente o que é – sabe-se como se apresenta: Numa casa isolada quase sempre no campo, os objectos de repente movem-se sozinhos, as gavetas abrem-se, os utensílios são levantados, os móveis, os pesados como os outros, as volumosas arcas mudam de sítio, os tachos, os potes, os caldeiros cheios, sem que uma gota lhes transborde, deslocam-se no ar a muitos metros de distância ou então uma chávena pousada no seu lugar quebra-se em mil pedaços, enquanto uma garrafa trambolha pela escada sem se rachar sequer. Caem pedras lançadas não se sabe de onde, pedaços de telha com trajectória absurda, do princípio ao fim imprevisíveis. As pedras visam um ou outro dos ocupantes mas bem assim um curioso, um vizinho que veio ver, que elas parecem dever atacar, mas que, retardando no momento preciso de o atingir, se limitam a empurrá-lo.
Objectos familiares, sapatos ou casacos desaparecem, reencontram-se lá fora. Acontece isto quer ao crepúsculo quer em pleno dia.”

Henri Michaux, Uma via para a insubordinação

Neste vídeo vê-se melhor mas ainda não mostra tudo. Ela leva um primeiro pontapé desse mesmo polícia e vai ao chão. Um rapaz vai levantá-la mas ela não consegue imediatamente correr e é aí que leva com aquele cacetete.
Reles cobarde.

Actua pelo Tua

tua-cartaz-actua-amarelo.jpg
Caras amigas e amigos
Entramos na fase crítica para podermos travar uma das maiores atrocidades cometidas num dos mais belos rios de Portugal. Esta é uma luta que já dura há vários anos, contudo todos os esforços que têm sido feitos para preservar o Vale do Tua, a sua riqueza natural e cultural, têm sido contrariados pelas forças políticas e económicas que querem expropriar-nos de um bem comum universal.
A construção da barragem já começou! O Vale do Tua faz parte do Alto Douro Vinhateiro – Património Mundial da Humanidade que celebrou o 10° aniversário da classificação atribuída pela Unesco em Dezembro passado – e vê-se agora em risco de ser completamente destruído. Temos de agir. Temos de nos unir para preservar um Património que é nosso.
A construção da Barragem em Foz-Tua faz parte do Plano Nacional de Barragens, um plano energético concebido pelo Governo deposto que promulgou a construção de 10 Barragens de Elevado Potencial Hidroeléctrico no país. Muitas das organizações da sociedade civil insurgiu-se contra este plano, que dá forma ao maior atentado ambiental a acontecer em Portugal. Apesar de todo o esforço feito por estas organizações, os interesses económicos que estão por detrás das construções das barragens têm ultrapassado todos os entraves colocados.
Precisamos de todo o apoio possível para parar a construção da barragem de Foz-Tua por isso apelamos à mobilização de todos para a defesa, preservação e valorização do nosso Património!!!
O dia 14 de Março é o Dia Internacional de Acção pelos Rios. O rio Tua, o rio Sabor, o rio Tâmega, os rios ameaçados não podem ser esquecidos. Queremos assinalar este dia com um evento em que a nossa voz se faça ouvir. Do dia 10 ao dia 18 de Março iremos organizar um acampamento pela preservação do Vale do Tua e pela censura pública dos promotores deste empreendimento.
Actua pelo Tua: o acampamento
Este acampamento pretende reflectir sobre o momento actual que vive Trás-os-Montes e, em especial, a Linha do Tua e ao mesmo tempo, partilhar a realidade, a cultura de uma comunidade que há muitos anos sente e vive o Vale do Tua. O acampamento será também uma ocasião para criar redes entre as pessoas, fortalecendo a aprendizagem entre todos e todas: a troca de experiências e difusão de informação sobre questões ambientais, sociais e políticas. Será também um espaço para acções de protesto, junto aos locais e com as pessoas afectadas pela construção da barragem, para exigir a suspensão imediata dos trabalhos de construção. Não podemos permitir que a construção da barragem condene a Região do Vale do Tua com a desclassificação do Alto Douro Vinhateiro e a submersão da centenária Linha do Tua.Caminhemos juntos contra a construção da Barragem da EDP!
Os danos irreversíveis
Os impactos que a construção da barragem vai provocar são inúmeros e irreversíveis. Entre eles contam-se:
•o afogamento de uma linha de comboio com 125 anos, que tem a função de servir as populações locais ao nível de transporte de bens e pessoas, como tem também um potencial turístico enorme, e por isso de importante desenvolvimento económico e social;
•a hipoteca causada a todas as gerações futuras pela construção da barragem: o PNB está previsto custar 16 mil milhões de euros ao Estado e ter uma produção de 0,07% que subtraindo os custos de produção e de transporte de energia e o aumento anual do consumo de energia é praticamente nulo;
•as grandes barragens destroem irreversivelmente os solos agrícolas, os ecossistemas, as paisagens naturais e humanizadas, o património cultural, ou seja, a sustentabilidade social, ecológica, económica da região envolvente;
•o Ministério da Economia e Emprego e o Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, autorizaram à EDP o abate de mais de 1104 sobreiros e 4134 azinheiras em povoamentos e núcleos de valor ecológico elevado no Vale do Tua;
•a desclassificação do ALTO DOURO VINHATEIRO – Património da Humanidade (ver relatório da ICOMOS sobre os impactos da barragem da EDP na Paisagem Cultural do Douro Vinhateiro, classificada como Património Mundial pela UNESCO);
•a perda incomensurável de fluxo turístico, de identidade cultural e de criação de riqueza na Região;
•a violação da Directiva Quadro da Água, um plano de acção da Comunidade Europeia para a protecção das águas.
Todas as mãos são bem-vindas! Não deixemos afundar o Vale do Tua!
Acampamento Actua 10 a 18 Março 2012 Foz-Tua
Concurso de Artes Actua pelo Tua // Exposição 14 Março // Inscrições Abertas
Contacto: acampamentoactua@gmail.com
http://acampamentoactua.wordpress.com/
http://www.internationalrivers.org/en/day-of-action

Fitcha Coragi

Combinámos num domingo chamar os amigos para gravar um videoclip.
Aparecemos todos no pátio do prédio de um amigo.
Eram por volta das 16/17 horas quando apareceu a policia.
Não estavamos a incomodar ninguém, nem a faltar ao respeito a ninguém, foi apenas um convivio e não havia motivos para alaridos.
Um primeiro carro da policia passou por nós e viu que estava tudo bem, deu a volta ao quarteirão como se nada fosse e depois voltou com um segundo carro.
Mal sairam dos carros começaram a mandar toda a gente embora e a disparar.
“o que fizemos de errado?”

E já não se quer voltar atrás

EsColA.jpg
Cinco anos de abandono. Não um abandono involuntário, de quem se esquece, mas doloso, de quem vai recebendo notícias más e prefere fazer de conta que não ouviu. Um abandono de cinco anos, um luxo, se se tiver em conta a sorte de quem sobrevive nas redondezas, escravos de empregos ridiculamente pagos, quando os há, ou de esquemas diários de sobrevivência. Gente descartável para a gestão da cidade, a quem se tirou cinemas, teatros, bailes, festas, vizinhos, últimos resquícios duma urbe em gentrificação que espera que morram e apodreçam. Deixaram o vazio. Das casas abandonadas, das vidas sem perspectivas, do entretenimento massificado pronto a consumir, da escola a convidar ao vandalismo.
Um mês depois de reactivada e aberta à comunidade que deveria servir, volta a ser fechada, com recurso a shotguns, elevadores, carros de bombeiros, uma junção, sem precedentes na zona, de quase todas as forças policiais e cordas para rappel. Para voltar ao abandono, mais triste ainda, por já se ter descoberto que, afinal, sim, é possível.
E houve quase um tremor de terra, pelo menos assim o sentiu quem o viveu, em que, espantados, reparámos que a população da zona já acreditava mais no que podia fazer ali do que no que, eventualmente, a autarquia não ia fazer. Com essa força, um colectivo autogerido, de base assembleária, a decidir por consenso, ganhou à Câmara, uma das mais prepotentes deste pantanal, a batalha pela posse dum espaço ocupado. Activistas, sim, mas também muitos moradores e gente solidária conseguiram discutir, definir estratégias, aprovar textos e actuações que culminaram com a devolução da Escola do Alto da Fontinha ao Es.Col.A.
E a D. Amélia faz o jantar-que-estes-meninos-não-têm-cuidado-com-o-comer, o Fábio organiza um ciclo de cinema, há quem vá ao Yoga, uns jogam basket, badminton, ténis de mesa, futebol, outros andam de bicicleta ou fazem escalada, ou crochet, ou cantam, e vêem filmes e constroem um ginásio, ou uma bicicleta, um computador, um instrumento musical, vêem o email, têm ajuda para os trabalhos de casa, há roupa grátis e há café, capoeira, … e, se não houver o que quiseres, tu fazes.
Nunca aqui houve lei. Nem no despejo, nem na reocupação, nem no re-despejo. Não interessa. Estão a mais? Shotguns! Temos que os deixar voltar? Assina-se uma cena e nem se cumpre. Voltam a estar a mais? Diz nos jornais que até somos amigos e prorrogamos um prazo que nunca existiu.
Nunca aqui houve boa fé. Houve o recuo do derrotado, a espera, o contra-ataque que se quer definitivo. E que o seria, numa terra onde o inevitável fosse a lei. Mas, ali, há muito que se ultrapassou a barreira do possível. E já não se quer voltar atrás.
http://pt.indymedia.org/conteudo/newswire/6642
http://escoladafontinha.blogspot.com/

The Black Power Mixtape – Hoje no RDA69, 21h

“The Black Power Mixtape 1967-1975,” among other things an extraordinary feat of editing and archival research, takes up a familiar period in American history from a fresh and fascinating angle. In the late 1960s and early ’70s, Swedish television journalists traveled to the United States with the intention of “showing the country as it really is.” Some of the images and interviews they collected have been assembled by Goran Hugo Olsson into a roughly chronological collage that restores a complex human dimension to the racial history of the era. The film begins at a moment when the concept of black power was promoted by Stokely Carmichael, a veteran of the freedom rides early in the decade, who, like many young black activists, had grown frustrated with the Gandhian, nonviolent philosophy of the Rev. Dr. Martin Luther King Jr. Carmichael, who later moved to Guinea and took the name Kwame Ture, is remembered for the militancy of his views and his confrontational, often slashingly witty speeches, but the Swedish cameras captured another side of him. In the most touching and arresting scene in “Mixtape,” he interviews his mother, Mable, gently prodding her to talk about the effects of poverty and discrimination on her family. That quiet conversation is a reminder that the inflammatory rhetoric of the black power movement, with its talk of revolution, national liberation and armed struggle, had its roots in bitter experience. And while “The Black Power Mixtape” tells a story of defiance and pride, it is also a tale of defeat, frustration and terrible destruction.
A. O. Scott

Jantar às 20h, filme às 21h

Gitanas: hablan las mujeres roms de Europa

cartaz (1).jpg
Dia 22 de Janeiro (Domingo) à Da Barbuda
largo da Severa 8, metro: martim moniz

16h – Exibição do documentário “Gitana Soy, la revolución tanquila de la mujer gitana” de Meritxell de la Huerga. Apróx. 53 minutos, em castelhano com legendas em francês
17h – Apresentação do livro “Gitanas: hablan las mujeres «roms» de Europa” de Claire Auzias com a presença da autora.
“Este livro – composto por 14 entrevistas realizadas a mulheres ciganas do velho continente e por 60 fotografias – aproxima-nos de uma realidade bem próxima e que por sua vez é ignorada: a das mulheres ciganas, a sua vida quotidiana, as suas preocupações sociais e os seus desejos pessoais. A soma de todas as vozes – em conjunto com a sua heterogeneidade geográfica e social – dá-nos uma panorâmica do momento em que vivem as mulheres ciganas, autênticas vanguardistas das mudanças dadas no mundo «rom».”
20h – Jantar
21h30 – Música cigana ao vivo

Pinheirinho

Pinheirinho.jpg
Após uma madrugada de muita apreensão, festa e o sentimento de vitória. Todos no acampamento sem-teto do Pinheirinho esperavam para esta manhã, a partir das 6h, que a polícia cumprisse o mandado de reintegração de posse da área.
O perímetro do acampamento era vigiado por motos dos sem-teto e alguns ‘pelotões’ estavam estrategicamente posicionados para entrar em confronto com a polícia caso a ordem fosse cumprida.
“Estamos aqui até a morte. Não vamos arredar o pé”, disse um dos ‘soldados’ sem-teto, que não quis se identificar.
A tensão, no entanto, rapidamente deu lugar à euforia quando, às 5h15, o advogado dos sem-teto, Antonio Donizete Ferreira, convocou uma reunião às pressas, logo na entrada do Quartel General do assentamento.
Ele informou que a Justiça Federal havia cassado a liminar que garantia o cumprimento do mandado de reintegração de posse.
“Essa liminar, com muito sufoco, deu um fôlego para continuarmos as negociações políticas. O próximo passo é convencer a prefeitura a mudar o zoneamento para desapropriar a área”, disse.
Ao saber da notícia, o Pinheirinho entrou em transe. Os moradores comemoram efusivamente a conquista. Eles tomaram a avenida do Imperador com buzinaço, bandeirões e gritam palavras de ordem .
O defensor público Jairo Salvador esteve no acampamento e confirmou a vitória temporária dos sem-teto.
O pintor industrial, Vanaildo Silva, 34 anos, está no acampamento desde o início da ocupação, em 2004, e disse que o dia de hoje foi de recordações.
“Hoje, quando estava pronto para resistir à desocupação relembrei das borrachadas e cacetetes que tomei quando tive que deixar o campão. Viemos para cá e quando pisei aqui acreditei que este lugar seria minha casa e agora, com essa decisão, tenho certeza de que este é o lar da minha família”.
O Comando do Policiamento do Interior da PM recebeu a ordem para que não cumpra a reintegração de posse. Em entrevista coletiva nesta manhã, o coronel Manoel Messias Mello afirmou que a possibilidade de que a reintegração de posse aconteça hoje está descartada. ” A ação requer um planejamento especial e não tem condições para que isso ocorra hoje”.

http://solidariedadepinheirinho.blogspot.com/

Freedom Riders 2011

frpalestine.jpg
Palestinian Freedom Riders to Ride Settler Buses to Jerusalem
Inspired by the Freedom Rides of the US Civil Rights Movement Palestinian activists will attempt to board segregated Israeli settler buses to occupied East Jerusalem
[Ramallah] Groups of Palestinian Freedom Riders will attempt to board segregated settler buses heading to Jerusalem through the occupied West Bank this Tuesday November 15, in an act of civil disobedience that takes its inspiration from the US Civil Rights Movement Freedom Riders aim to challenge Israel’s apartheid policies, the ban on Palestinians’ access to Jerusalem, and the overall segregated reality created by a military and settler occupation that is the cornerstone of Israel’s colonial regime. While parallels exist between occupied Palestine and the segregated U.S. South in terms of the underlying racism and the humiliating treatment suffered then by blacks and now by Palestinians, there are also significant differences. In the 1960s U.S. South, black people had to sit in the back of the bus; in occupied Palestine, Palestinians are not even allowed ON the bus nor on the roads that the buses travel on, which are built on stolen Palestinian land.
In undertaking this action Palestinians do not seek the desegregation of settler buses, as the presence of these colonizers and the infrastructure that serves them is illegal and must be dismantled. As part of their struggle for freedom, justice and dignity, Palestinians demand the ability to be able to travel freely on their own roads, on their own land, including the right to travel to Jerusalem.
Palestinian activists also aim to expose two of the companies that profit from Israel’s apartheid policies and encourage global boycott of and divestment from them. The Israeli Egged and French Veolia bus companies operate dozens of segregated lines that run through the occupied West Bank, including East Jerusalem, many of them subsidized by the state. Both companies are also involved in the Jerusalem Light Rail, a train project that links illegal settlements in East Jerusalem to the western part of the city. By facilitating population transfer into occupied Palestinian territory, Egged and Veolia are actively and knowingly complicit in Israel’s settlement enterprise, which the International Court of Justice has determined to be a breach of international law, and particularly Article 49 of the Fourth Geneva Convention prohibiting an occupying power from transferring part of its population into occupied territory.
This Tuesday, Palestinian Freedom Riders will head to Jewish-only bus stops in the West Bank and attempt to board the settler buses. Palestinians understand that this act of nonviolent disobedience may result in violent attacks and even death at the hands of Israeli settlers that are to Israel what the Klu Klux Klan was to the Jim Crow South, or the authorities that protect them. Nonetheless, the Freedom Riders believe that this act of civil resistance is necessary to draw the attention of the world to the immorality of Israel’s occupation and apartheid system as well as to compel justice-loving people to take a stand and divest from Egged, Veolia, and all companies that enable and profit from it.
The Freedom Riders will be joined by activists from all around the world who will stage activities in their cities that highlight the systematic oppression of Palestinians and the need to divest from Egged and Veolia.
Background
The buses that the Freedom Riders will be boarding are operated by the Egged, the largest Israeli public transportation company, and by the French transnational company Veolia. Both companies are complicit in Israel’s violations of international law due to their involvement in and profiting from Israeli’s illegal settlement infrastructure. Palestinian Freedom Riders endorse the call for boycotting both companies, as well as all others involved in Israel’s violations of human rights and international law.[1]
In July 2011, an Egged subsidiary won a public tender to run bus services in the Waterland region of the Netherlands, north of Amsterdam. The company makes money from trampling on the rights of Palestinians and has been a target of the boycott, divestment and sanctions (BDS) campaign, which is endorsed by an overwhelming majority of Palestinian civil society. The Freedom Riders call on the people of the Netherlands to sever all dealings with companies, like Egged, involved in human rights violations.
Veolia, has been a target of an international divestment campaign or running bus lines through the West Bank connecting settlements to Jerusalem and for its involvement in the Jerusalem Light Rail which connects Israel’s illegal settlements in and around occupied East Jerusalem to the western part of the city, thereby directly servicing the settlement enterprise.[2]
Over 42 percent of Palestinian land in the West Bank has been taken over for the building of Jewish settlements and their associated regime[3] (including the wall which was declared illegal by the International Court of Justice in 2004), depriving local communities of access to their water resources as well as agricultural lands. Settling Israelis in the occupied Palestinian territory constitutes a war crime according to the Fourth Geneva Convention[4] and the Rome Statute of the International Criminal Court.[5]
The occupied West Bank and Gaza Strip constitute only 22 percent of the Palestinian homeland from which over 750,000 Palestinians were ethnically cleansed in 1948 when the state of Israel was created. Since then, Palestinian refugees have been languishing in refugee camps and other places of exile, denied the right to return to their homes.
[1] Palestinian Civil Society Call for BDS, available at: http://www.bdsmovement.net/call.
[2] http://www.bigcampaign.org/veolia/
[3] B’tselem Report: “By Hook and By Crook, Israeli Settlement Policy in the West Bank,” July 2010; summary available at: http://www.btselem.org/publications/summaries/201007_by_hook_and_by_crook.
[4] See “Israel’s settlement policy is a war crime under the Fourth Geneva Convention,” The Palestinian Center for Human Rights, Gaza, highlighting the relevant articles of the Fourth Geneva Convention to support the determination that settlements are a war crime, at http://www.pchrgaza.org/Intifada/Settlements.conv.htm; see also “Demolitions, new settlements in East Jerusalem could amount to war crimes – UN expert,” UN News Centre, June 29, 2010, at http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=35175&Cr=Palestin&Cr1.
[5] Article 8(2)(b)(viii) of the Rome Statute of the International Criminal Court prohibits “[t]he transfer, directly or indirectly, by the Occupying Power of parts of its own civilian population into the territory it occupies.”
Facebook: Friends, please like and follow this page for updates from the Palestinian Freedom Rides campaign: http://www.facebook.com/pages/Palestinian-Freedom-Rides/262016243850607
Twitter: @palfreedomrides
For inquiries send an email to palestinianfreedomriders@gmail.com

“Na escola não se lê / Não mostra na tv / Mas só quem não quer é quem não vê”

Ontem 15 de Outubro enquanto reclamávamos em frente à assembleia da república por uma Democracia Real, esta democracia mostrava a sua face na arrentela.
Ontem 15 de Outubro por volta das dez a policia agrediu violentamente vários jovens da arrentela, homens e mulheres, (alguns dos quais frente aos seus filhos).
Em resposta a uma denúncia sobre barulho a polícia entrou com socos pontapés e tiros. Tudo depois de uma festa do primeiro aniversário de um bebé do bairro, nas instalações da khapaz, festa essa que acabou exactamente Às dez. Acabada essa festa algumas das pessoas continuaram no jardim a conviver e isso motivou a chamada para a policia, que por sua vez abordou as pessoas com a violência que já nos habituou.
Eram dez e meia nada mais. Teria a polícia respondido assim a uma queixa de barulho no Bairro Alto ou no 24 de Julho. Não pois lá, os filhos de papas saberiam motivar uma resposta.
Porque aqui então? Porque são negros, negras, brancos pobres ou ciganos que não conhecem os seus direitos e são constantemente submetidos a violência deste sistema que nos relegou para o desemprego em massa, para a pobreza, e tem que manter-nos disciplinados nas reservas de mão-de-obra barata ou sucatas dos ex-operários e seus filhos: os desproletarizados, descidanizados e dessocializados.
Restos, duma democracia que sempre se afirmou na exploração e repressão dos negros e dos pobres. Dos bairros e dos países pobres da mão-de-obra escrava e barata. Democracia que se impõe ao mundo dentro e fora de fronteiras pelas armas.
Pelos bombardeamentos e pelas bastonadas. Perguntamos se é esta a democracia que se quer. Perguntamos aqueles e aquelas que reclamavam por uma democracia real se estão continuarão a fechar os olhos e estes acontecimentos. Ou se na democracia que ambicionam há lugar para esta violência racista.
Estes são os mesmos policias que lhes impediram de tomar a assembleia da republica escalados para conter o descontentamento dos jovens, desempregados e precarizados. Estes e estas também fazem parte dessa democracia. Indignem-se por um verdadeiro 15 de Outubro.
São as imagens que mostram, contrariamente ao que a SIC e o Correio da Manhã (instrumentos da propaganda racista capitalista) que não foi nenhuma luta de gangs, não foi nenhuma resistência à autoridade.